INFORMAÇÃO É FORMAÇÃO

sábado, 12 de março de 2011

FORMATAR A OPINIÃO COM SEGURANÇA




Por: Bento dos Santos

“O acidente ocorrido no pretérito dia 04 de Abril do presente ano, na província de Kinguanje, localizada no Norte de África mereceu a distinção no livro de recordes Guiness Boock.



Superando todas genialidades criativas de Hollywood o facto ocorreu quando uma viatura aparentemente normal despistou sobre uma rampa e elevou-se atingindo uma altura de mais de duzentos metros, trespassando o interior de um apartamento localizado no sexto andar de um edifício, vindo a cair sobre um camião trailler que transportava uma tonelada de cocaína.

Foi sem sombra de dúvidas a melhor apreensão do Inspector Chefe Guilliermo Guizalhes; Acresce a este facto a particularidade de não haver nenhuma vítima mortal nem ligeira, e também a casualidade do acontecimento caricato ter sido filmado pelas câmaras do canal televisivo internacional Euro news…”

Os últimos meses têm sido marcados por transformações no sistema político internacional, as quais também têm influenciado as questões domésticas. A separação da Tia Ngumbi e o Tio Makuca deveu-se ao facto da Tia Ngumbi achar que a casa devia ser pintada com as cores verde e vermelho. O Tio Makuca achou arrepiante a ideia por isso ordenou que a casa devia ser pintada com as cores amarela, vermelha e branca.

Este contradição evoluiu em conflito doméstico, e teve inclusive a mediação da comunidade internacional-familiar, o primo Juca Fernandes graduado com duas licenciaturas (uma em Comunicação Social e outra em Relações Internacionais e um Mestrado em Direito) foi solicitado a intervir; Residente nos Estados Unidos da América e na qualidade de funcionário das Nações Unidas era tido na família como a solução para solucionar os conflitos mais complexos…

Entretanto o diferendo entre a Tia Ngumbi e o Tio Makuca não conheceram a resolução esperada, o casal acabou mesmo por separar-se, coitados dos dez filhos do casal que actualmente estão a começar a sofrer com as consequências da separação… E quanto ao primo Juca Fernandes ainda está por se entender, como lhe ocorreu em formular a lúdica ideia de mandar misturar todas as cores que o casal propunha e dai pintar a casa…

Com esta solução internacional-familiar o casal apesar de separado ainda está a pagar uma tremenda multa a administração municipal, e esta agora!

Talvez seria mas oportuno se o primo Juca Fernandes identifica-se a fonte de influência da Tia Ngumbi ou de Tio Makuca, é que a posição firme da Tia Ngumbi devia-se ao facto da vizinha Moloca lhe informar que o Tio Makuca iria lhe por conversa de pintar a casa com cores estranhas para promover a discórdia entre eles (casal) uma vez que o mesmo já pretendia separar-se pois a Tia Ngumbi estava velha e cansada, e tinha aquelas xuxas caídas que nem papel molhado. Segundo a vizinha fofoqueira Moloca o Tio Ngumbi ia separ-se para ficar com a jovem Kilsa moça direita que até trabalha nas relações exteriores, é formada, fala baixo, e é fina até ao se zangar…

Pois como grafava, as transformações internacionais no sistema político tem sido motivo para focarmos nossas atenções a distintas questões, importa-me destacar as questões ligadas a segurança nacional, apesar de ser um tema aparentemente sensível para ser tratado em hasta pública, esta temática deve ocupar lugar de destaque na agenda pessoal de cada um, por mais leigos que sejamos no assunto, uma vez que a segurança é assunto omnipresente para vida de todos seres humanos, e quando se delimita a segurança nacional, no nosso caso em território angolano, é assunto para todos nós angolanos nos interessarmos.

Ademais, os últimos acontecimentos em função da tendência maquiavélica de se convocar uma subversão política, promoveu superficialmente algumas tentativas que alguns países do contexto das sociedades internacionais tentam globalizar uma falsa instabilidade política, social, e militar em Angola.

Aliás leigo é aquele que pensa que no contexto das relações internacionais, os estados interagem sob manto da santidade…Tal facto é mera utopia, uma vez que ao longo da história internacional os factos evidentes demonstram que um estado sempre tende dominar o outro. Muitos o fazem-no nas sombras, na qual homens e mulheres operam, desde sempre no silêncio, com códigos e condutas próprios, sob as mais distintas razões, e recorrendo a técnicas conhecidas por poucos que adentraram nesse hermenêutico plano.

Chamada por alguns por arte negra e também por grande jogo, esta actividade sempre existiu associada as relações de poder, influenciando acontecimentos no interior das nações e afectando as relações internacionais.

Este oficio agora chamado de actividade de inteligência está presente em todos estados. Portugal, Estados Unidos da América, África do Sul, São-tomé e Príncipe, China todos países têm os seus bófias… Há historia é pródiga de lideres que controlavam grandes redes de agentes secretos, fazendo deles instrumentos fundamentais para a arte de governar: César, Papa Pio, Papa João Paulo II, Moisés, Alexandre, Augusto, Washington, Napoleão, Bismarck, Stalin, Kennedy, Mobutu, Nelson Mandela, Samora Machel, Agostinho Neto, Bill Gate, Kruami Kruma, Roberto Carlos, Michael Jackson…Para o bem ou para o mal, esses homens em suas decisões fizeram uso dos serviços secretos e das informações obtidas de maneira nem sempre “honesta”.

Não pretendo aqui promover adversidade ao estrangeirismo, entretanto é preciso estar-mos cientes que os nossos interesses nacionais não agradam a gregos e troianos.

Por exemplo, diante dos cenários massificados pela media internacional, de que em Angola vivia-se um clima de instabilidade agressiva, me questiono sobre a posição de muitos angolanos na diáspora e alguns radicados cá no país. Será que estão conscientes das implicações e dimensão das chamadas ameaças transaccionais?

Será acto responsável promover a instabilidade social em detrimento de inúmeras frustrações consequentes do facto de não conseguir um carro, uma casa, uma vez que achamos de direito por ser um cidadão angolano?!

Assim, tanto no âmbito internacional, quanto no campo doméstico, o tema “Segurança” deverá ser objecto de grande atenção por parte das autoridades estatais e da sociedade civil em geral.

No campo pessoal, importa ressalvar a responsabilidade pessoal de cada um, ao ler-mos certos artigos, noticias, filmes, ou ao ouvir fofocas, estamos a formatar a nossa opinião sobre um determinado tema ou assunto, por isso o melhor mesmo é seleccionar-mos o que devemos ler, ouvir ou memo ver!

Lembram-se da história que abriu este artigo, aquela do carro que entrou no prédio etc. …Pois é mera ficção!

Um abraço a todos e bom final de semana.

Sem comentários: