INFORMAÇÃO É FORMAÇÃO

sábado, 25 de novembro de 2017

*A ESPIRAL DO SILÊNCIO NO CONTEXTO SOCIAL E POLÍTICO ANGOLANO EM TEMPOS DA NOVA REPÚBLICA* 

Por: Bento dos Santos

Hoje, recebi uma chamada que motivou-me a escrever o presente texto. Durante a chamada fui inquerido se certa pessoa podia ou não opinar sobre os diversos assuntos de cariz politico e social, que tem ocorrido nos últimos tempos.

Como sabemos, isto porque foi o que muitos vivenciamos durante as eleições, apesar das inúmeras manifestações sépticas, era previsível que a realização das eleições de 23 de Agosto do presente ano (2017) iria provocar uma mudança no paradigma político e social no contexto da sociedade angolana. E para afastar os receios vigentes na ocasião das eleições, nos parece que os últimos factos decorrentes no contexto político e social angolano, acabaram por nos liberar das mais profundas necessidades de realizarmos incursões com longas abordagens, que a nosso entender, mais seriam para avivar qualquer mente, antes sépticas, caso o assunto actual a abordar for “exonerações”. 

Com as alterações que estão a ser realizadas no xadrez governativo, nos parece que o adágio “ver para querer” tem afastado os septicíssimos até então vigentes nas memórias de muitos cidadãos.

Porém, a mudança do paradigma político actual, e aqui destacamos o facto da regularidade que se dá actualmente a palavra “paradigma” que parece estar em voga na nossa sociedade intelectual, pois agora na boca dos bons falantes 《》escuta-se com regularidade "novo paradigma para aqui, “novo paradigma para acóla” enfim, como transcrevíamos, o novo paradigma político e social tem dado origem a vários cenários, entre os quais, para nós importa destacar o da formação da opinião pública.

Com a actual abertura promovida pelo recém-eleito e investido, Presidente da República, João Lourenço, nos parece que uma pergunta tem inquietado muitos militantes, amigos, simpatizantes e até mesmo opositores do partido maioritário. A pergunta é: 

- Devemos falar, ou não?!

- Será que já é o momento ideal para emitir a nossa opinião, ou ainda é cedo para tal, o que nos levaria a tecer opiniões desconcertadas?

- Onde e quando devemos falar?

- Porquê que devemos falar?

Entenda-se, o falar que fazemos referência, trata-se propriamente de opinar sobre os diversos assuntos de interesse público, actualmente circulantes na esfera pública.

Todavia, para uma melhor elucidação, achamos conveniente subsidiarmos a nossa reflexão com base numa das teorias das ciências da comunicação, no caso a teoria da espiral do silêncio, proposta, em 1973, pela socióloga alemã Elisabeth Noelle-Neumann.

A teoria da espiral do silêncio, ou teoria do silêncio se assim preferirem, cujo conteúdo incide sobre a relação entre os meios de comunicação e a opinião pública e que representou uma nova ruptura com as teorias dos efeitos limitados, pressupõe os seguintes pressupostos: as pessoas temem o isolamento, buscam a integração social e gostam de ser populares; por isso, as pessoas têm de permanecer atentas às opiniões e aos comportamentos maioritários e procuram expressar-se dentro dos parâmetros da maioria. 

Noelle-Neumann “defendeu também que a formação das opiniões maioritárias é o resultado das relações entre os meios de comunicação de massas, a comunicação interpessoal e a percepção que cada indivíduo tem da sua própria opinião quando confrontada com a dos outros. Ou seja, a opinião é fruto de valores sociais, da informação veiculada pela comunicação social e também do que os outros pensam.”

A socióloga admite a existência de dois tipos de opinião e de atitudes: as estáticas, que radicam, por exemplo, nos costumes, e as geradoras de mudança, como as opiniões decorrentes das filosofias de acção. Nesta corrente, as pessoas definir-se-iam em relação às primeiras por acordo e adesão ou por desacordo e afastamento. Porém, em relação às opiniões e atitudes configuradoras de mudança, os indivíduos, desejosos de popularidade e com o objectivo de não se isolarem, seriam bastante cautelosos. Assim, se a mudança se estivesse a dar no sentido das suas opiniões e se sentissem que haveria receptividade pública para a expressão dessas opiniões, as pessoas não hesitariam em expô-las.

Contudo, se as mudanças estivessem a decorrer em sentido contrário ou se as pessoas sentissem que não haveria receptividade pública para a exposição das suas opiniões, tenderiam a silenciar-se. “O resultado é um processo em espiral que incita os indivíduos a perceber as mudanças de opinião e a segui-las até que uma opinião se estabelece como a atitude prevalecente, enquanto as outras opiniões são rejeitadas ou evitadas por todos, à excepção dos duros de espírito, que persistem na sua opinião, que quanto a nós nos parece existirem poucos (...) 

E como estamos a reflectir sobre comunicação, também nos importa integrar os meios de comunicação social. Com relação ao assunto, estes tendem a consagrar mais espaço às opiniões dominantes, reforçando-as, consensualizando-as e contribuindo para “calar” as minorias pelo isolamento e pela não referenciação. 

O que estamos a afirmar é que os meios de comunicação social, tendem a privilegiar as opiniões que parecem ser dominantes, fazendo com que essas opiniões pareçam consensuais quando de facto não o são.  

Portanto, somos de opinião que apesar da abertura politica que foi promovida pelo novo Presidente da República, que visa estimular as pessoas para terem uma comunicação pública mais participativa e responsável, a verdade que se constata é que muitos cidadãos continuam presos na espiral do silêncio. Para muitos, os tais silenciosos parecem que não estão emitir qualquer opinião propriamente dita, mas na verdade estão emitir outras opiniões através do silêncio. 

Razão que nos leva a reflectir; será que quem cala, realmente consente?

Sem comentários: